História

UM POUCO DA HISTÓRIA DA ACADEMIA

A Academia Cearense de Ciências (Aceci) foi fundada em 23 de outubro de 1985, possuindo, portanto, mais de 35 anos, com seus membros reunindo-se todos os meses para discutir ações do governo, pesquisas científicas e problemas sociais de interesse da comunidade civil do Estado, contribuindo com ações, visando o engrandecimento do Ceará.

Na fase inicial foi estabelecido pela Assembléia Geral da Aceci, um número de 30 acadêmicos, como uma Diretoria provisória, presidida pelo saudoso Dr. Rui Simões de Menezes, durante o período de 6 de novembro de 1984 a 3 de abril de 1986, o qual foi re-eleito presidente para um novo período de dois anos: 3 de abril de 1986 a 3 de abril de 1988. Em seguida, o Dr. Oswaldo Riedel foi escolhido em Assembléia Geral para ocupar a presidência durante o biênio: 3/04/1988 a 30/04/1991. O Dr. Caio Lóssio Botelho foi, também, escolhido para ocupar a presidência da Aceci, durante dois mandatos de dois anos cada: 3/04/1991 a 28/04/1993 e 28/04/1993 a 4/05/1995. No dia 4 de maio do ano de 1995, o também saudoso e operante Prof. José Júlio da Ponte Filho foi eleito para o período de 4/05/1995 a 21/03/1999. O mesmo dedicado e operante José Júlio da Ponte Filho foi re-eleito para mais quatro períodos consecutivos, permanecendo na presidência da Academia durante um período de 17 anos consecutivos: 4/05/1995 a 10/12/2011. Para substituir o Prof. José Júlio, a Academia selecionou como presidente o Prof. Jader Onofre de Morais, membro titular da cadeira Nº 17 patroneada por Dr. João Batista V. Dias. O Prof. Jader Morais exerceu a presidência da Aceci, por dois mandatos, no período de 8/08/2011 a 01/01/2016. Em reunião realizada no dia 25 de janeiro de 2016, o Prof. Dr. José Albersio de Araujo Lima foi escolhido, em Assembléia Geral, para exercer a presidência da Aceci, pelo período de Fevereiro de 2016 a Janeiro de 2018.

Recentemente, por decisão unânime dos seus membros, o quadro de acadêmicos permanentes e imortais da Academia, foi ampliado para um total de 50, podendo chegar a 80 ao longo dos anos. Recentemente, foram selecionados cinco novos cientistas, os quais tomaram posse no dia 3 de junho de 2016. Para completar o número de 50 cadeiras, deverão ser selecionados novos acadêmicos até o final de 2016. Após completar os 50 membros, para o preenchimento das cadeiras resultantes do falecimento de alguns dos acadêmicos fundadores serão criadas duas vagas, sendo uma para o preenchimento da vacância e a outra para a ampliação do número de vagas, até completar o total de 80.

No processo de seleção de novos acadêmicos, definida a vacância no quadro permanente da Academia, a mesma é preenchida pela seleção, de acordo com o que estabelece seu Estatuto. Os candidatos para as respectivas vagas que surgirem devem ser indicados à presidência, sendo que as indicações devem ser proferidas por, pelo menos, dois acadêmicos titulares. Em seguida, o presidente indica dois acadêmicos para análise e avaliação dos perfis dos candidatos, refletidos nos seus Curricula vitarum, envolvendo, sobretudo contribuições científicas, tecnológicas e formação de recursos humanos, e o parecer emitido pelos avaliadores é então submetido ao plenário da Academia. Desta forma, o reconhecimento dos frutos do trabalho de um cientista, para compor a Academia, é o que mais o enaltece, especialmente por ser pronunciado pelos seus pares, constituindo, assim, a nobreza do gesto de reconhecimento, uma honraria, sobretudo, pela imortalidade que lhe é conferida ao ser empossado junto ao seleto Grupo de cientista.

A Academia está propondo, também, a criação do seu quadro de sócios beneméritos previsto no seu Estatuto, segundo o qual na condição de sócios beneméritos, poderão ser admitidas pessoas físicas ou jurídicas que tenham feito doações ou contribuições materiais valiosas à Academia. Portanto, à semelhança da Academia Brasileira de Ciências, com as contribuições financeiras dos sócios beneméritos, que podem ser Instituições públicas e privadas, a Aceci planeja ampliar suas ações, inclusive através da sua interiorização, não apenas pela seleção para seu quadro permanente, colegas de Instituições do interior do Estado, mas, sobretudo, através da realização de Eventos Acadêmicos Científicos no interior do Estado. O lema será: Interiorização da Ciência.

Atualmente, as reuniões dos membros da Aceci ocorrem no Auditório do Instituto de Ciências do Mar (Labomar), da Universidade Federal do Ceará, que nos foi cedido pela sua Diretora Profa. Dra. Ozilea Beserra Meneses. No entanto, a Aceci prescinde de uma Sede própria ou de uma Sede permanente para as reuniões da sua Diretoria, com infra-estrutura apropriada e apoio logístico. Por tal razão, encontra-se em discussão, uma proposta de se conseguir espaço junto à Secretaria da Ciência e Tecnologia e Educação Superior do Estado do Ceará, ou mesmo da Fundação de Amparo a Pesquisa (Funcap), para as Reuniões mensais dos seus membros titulares e dos compõem a Diretoria, a cada 15 dias ou quando julgado necessário.

Com suas reuniões e os consequentes debates que envolvem tópicos de relevância para o desenvolvimento científico e tecnológico do Ceará, seus membros procuram contribuir com subsídios para as gestões de órgãos públicos e privados do Estado.